[ Back to EurekAlert! ]

Public release date: 31-Oct-2013

[ | E-mail ] Share Share

Contact: Ana Mena
anamena@igc.gulbenkian.pt
351-214-407-959
Instituto Gulbenkian de Ciencia

Suicídio de proteínas assegura estruturas celulares saudáveis

Esta comunicado está disponível em inglês.

Os centríolos são pequenas estruturas na célula que desempenham um papel importante durante a divisão celular e na formação de cílios e flagelos. Alterações no número de centríolos estão frequentemente associadas a doenças como o cancro ou infertilidade. Assim sendo, a manipulação destas estruturas tem sido objecto de estudo de modo a serem encontradas novas formas de diagnóstico e terapia em alguns cancros. O conhecimento sobre a regulação do número de centríolos foi aprofundado num estudo publicado na mais recente edição da revista científica Current Biology*. Investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC), liderados por Mónica Bettencourt-Dias, descobriram que a principal proteína que regula a formação dos centríolos, a Polo-like kinase 4 (PLK4), necessita de se autodestruir de forma controlada de forma a assegurar o controlo do número de centríolos nas células.

A PLK4 é uma das proteínas essenciais ao controlo da formação dos centríolos: na sua ausência os centríolos não se conseguem formar, mas em excesso a PLK4 induz a formação de um número extra destas estruturas. A equipa de Mónica Bettencourt-Dias identificou agora o mecanismo pelo qual a PLK4 controla os seus próprios níveis e, consequentemente, o número de centríolos. Aplicando diferentes ensaios bioquímicos os investigadores observaram que a proteína PLK4 é capaz de autorregular os seus níveis ao adicionar grupos químicos de fosfato a si mesma. Estes grupos de fosfato sinalizam a proteína para destruição. No entanto, se a proteína PLK4 se autodestruir muito rapidamente deixa de ter o tempo necessário para controlar o número de centríolos que se vão formar na célula. Os resultados obtidos por estes investigadores mostram que o mecanismo de destruição engloba uma sequência de eventos que confere à PLK4 tempo para atuar na formação dos centríolos antes de ser degradada. Primeiro, a PLK4 tem de adicionar grupos fosfatos a outras proteínas PLK4. Para este fim, as proteínas PLK4 têm de estar próximas umas das outras, o que apenas e só é conseguido quando existe uma quantidade mínima destas proteínas na célula. À medida que a quantidade de PLK4 aumenta na célula, esta atua na formação dos centríolos. Além disso, os investigadores descobriram que a adição de grupos fosfato ocorre em diferentes sítios da proteína e segundo uma ordem determinada. Assim sendo, a proteína comete "suicídio" mas de uma forma controlada temporalmente.

A importância deste mecanismo de destruição foi também testada em organismos vivos. Utilizando como organismo modelo a mosca da fruta, Drosophila melanogaster, os autores deste estudo observaram que o mecanismo de destruição da PLK4 existe naturalmente em diferentes tecidos da mosca. Se a degradação da PLK4 não ocorrer nas células germinais femininas e masculinas, as células precursoras dos óvulos e dos espermatozoides, a fertilidade das moscas é afetada.

Inês Bento e Inês Cunha Ferreira, duas das autoras deste trabalho, dizem: "Os nossos resultados mostram que a PLK4 é uma proteína 'suicida'. A sua atividade determina a sua degradação. Isto é uma importante peça de um complicado puzzle, mas é necessária mais investigação para perceber exatamente como a regulação da PLK4 se liga temporalmente à divisão celular."

Mónica Bettencourt-Dias acrescenta: "Quanto mais compreendermos como a proteína PLK4 é regulada mais percebemos como o número de centríolos é controlado. Recentemente foi anunciado por investigadores no Canadá que se vão iniciar ensaios clínicos para o cancro da mama baseados na inibição de PLK4. Assim sendo, é muito importante perceber como esta molécula é regulada."

Este estudo foi desenvolvido em colaboração com investigadores do Institute of Biochemistry and Biophysics (Warszawa, Polónia) e do Cancer Research UK Cell Cycle Genetics Group (Universidade de Cambridge, Reino Unido). Inês Cunha Ferreira e Inês Bento (IGC) contribuíram igualmente para este trabalho. Esta investigação foi financiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), pela European Molecular Biology Organization (EMBO) e pelo Conselho de Investigação Europeu (European Research Council, ERC).

###

*Cunha-Ferreira, I., Bento, I., Marques, A. P., Jana, S. C., Lince-Faria, M., Duarte, P., Borrego-Pinto, J., Gilberto, S., Amado, T., Brito, D., Rodrigues-Martins, A., Debski, J., Dzhindzhev, N., Bettencourt-Dias, M. Regulation of Autophosphorylation Controls PLK4 Self-Destruction and Centriole Number, Current Biology (2013), http://dx.doi.org/10.1016/j.cub.2013.09.037

Ana Mena, PhD
Comunicação de Ciência e Relações Externas
Science Communication and Outreach
Instituto Gulbenkian de Ciência
Rua da Quinta Grande, 6
2780-156 Oeiras
Portugal
Phone: +351 21 4407959
anamena@igc.gulbenkian.pt



[ Back to EurekAlert! ] [ | E-mail Share Share ]

 


AAAS and EurekAlert! are not responsible for the accuracy of news releases posted to EurekAlert! by contributing institutions or for the use of any information through the EurekAlert! system.