Public Release: 

Segundo pesquisa, casos de enxaqueca crônica são potencializados por problema mandibular

Estudo feito na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP indica que pacientes têm o triplo de chances de sofrer sintomas severos de problema na articulação entre mandíbula e crânio

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

Em estudo recém-publicado, pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da Universidade de São Paulo descrevem que quanto mais frequente for a enxaqueca (migrânea crônica) mais severa será a chamada disfunção temporomandibular, ou DTM, que afeta a articulação da mandíbula com o crânio. Seus sintomas incluem tensão na articulação e dificuldade de mastigar.

"Nosso estudo mostrou que um paciente que apresente migrânea crônica - -aquela que ocorre em 15 ou mais dias por mês -- tem o triplo de chances de relatar sintomas mais severos de DTM, se comparado a pacientes com migrânea episódica", disse Lidiane Florencio, autora do estudo que integra o Projeto Temático "Estudo da associação de aspectos clínicos, funcionais e de neuroimagem em mulheres com migrânea," apoiado pela FAPESP.

Pesquisas anteriores já indicavam que, de alguma forma, a enxaqueca está relacionada a dores nos músculos da mastigação. O diferencial desse estudo, contudo, foi considerar a frequência da enxaqueca ao analisar sua relação com a DTM: 84 mulheres na faixa dos 30 anos foram avaliadas, sendo que 21 apresentavam migrânea crônica, 32 migrânea episódica e 32 não tinham migrânea - os dados foram publicados no Journal of Manipulative and Physiological Therapeutics.

Foram observadas taxas de prevalência de sinais e sintomas de DTM em 54% das mulheres sem enxaqueca, 80% das mulheres com enxaqueca episódica e em 100% daquelas que apresentavam enxaqueca crônica.

Para Florencio, a justificativa da associação entre frequência da enxaqueca e severidade da DTM pode estar nos níveis mais elevados de sensibilização desses pacientes.

"A repetição de casos de enxaqueca pode amplificar a sensibilização à dor. Nossa hipótese é que a enxaqueca atue como um fator que predispõe à DTM. Por outro lado, a DTM pode ser considerada um fator de perpetuação potencial para a enxaqueca, pois atua como uma entrada nociceptiva [de recepção de estímulos aversivos] constante que contribui para manter a sensibilização central e os processamentos anormais de dor", disse.

Tanto enxaqueca quanto DTM têm mecanismos patológicos muito parecidos. A enxaqueca é uma condição que afeta 15% da população em geral, sendo que 2,5% delas têm progressão na forma crônica. Já a origem da DTM está ligada tanto ao estresse quanto à sobrecarga muscular. O paciente pode ter sinais de natureza articular - como dor na articulação, redução dos movimentos da mandíbula e estalidos -, podendo apresentar também sintomas musculares, como dor e cansaço, ou irradiação da dor na musculatura da face e pescoço.

Quem veio primeiro

DTM e enxaqueca são comorbidades. No entanto, embora haja uma predisposição de quem tem enxaqueca apresentar DTM, não necessariamente quem tem DTM apresentará enxaqueca.

"Quando o paciente tem enxaqueca, há maior chance de ele apresentar sinais e sintomas de DTM, já o inverso não é verdadeiro. Há casos de pacientes com DTM severa sem apresentar nenhum quadro de enxaqueca", disse Débora Grossi, orientadora do estudo e coordenadora do Projeto Temático.

Os pesquisadores estimam, no entanto, que, embora a DTM não seja a causa da enxaqueca, ela pode facilitar a frequência e severidade de uma nova crise.

"O que sabemos é que a migrânea não é causada pela DTM. A enxaqueca é uma doença neurológica com causas multifatoriais. Já a DTM, assim como a cervicalgia e outras doenças musculoesqueléticas, é um conjunto de fatores que piora a sensibilidade de quem tem enxaqueca. O fato de ter a DTM pode piorar a migrânea, tanto em severidade quanto em frequências", disse Florencio.

Diante dos resultados, os pesquisadores defendem que pacientes com enxaqueca devem ter os sinais e sintomas da DTM clinicamente examinados.

"Os dados obtidos mostram que a relação com a DTM, apesar de existir, é menor em quem tem poucas crises de enxaqueca, ou enxaqueca episódica. Só essa informação já deveria mudar a forma de avaliar esse paciente. Se quem tem enxaqueca tende a ter DTM mais severa, é preciso então que os profissionais de saúde avaliem nos pacientes com enxaqueca se ele apresenta sinais de sintomas de DTM", disse Grossi.

###

Sobre a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) é uma das principais agências públicas brasileiras de fomento à pesquisa. A FAPESP apoia a pesquisa científica e tecnológica por meio de Bolsas e Auxílios a Pesquisa que contemplam todas as áreas do conhecimento. Em 2016, a FAPESP desembolsou R$ 1,137 bilhão, custeando 24.685 projetos, dos quais 53% com vistas à aplicação de resultados, 39% para o avanço do conhecimento e 8% em apoio à infraestrutura de pesquisa. Saiba mais em: http://www.fapesp.br.

Disclaimer: AAAS and EurekAlert! are not responsible for the accuracy of news releases posted to EurekAlert! by contributing institutions or for the use of any information through the EurekAlert system.