Public Release: 

Estudo reforça relação entre falta de vitamina D e síndrome metabólica

Em pesquisa feita com mulheres na pós-menopausa, grupo que apresentava insuficiência ou deficiência de vitamina D apresentava incidência de síndrome metabólica da ordem de 57,8%

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

Pesquisa realizada no Brasil demonstra que há uma forte associação entre deficiência de vitamina D e síndrome metabólica em mulheres no período de pós-menopausa. Constituída por um conjunto de condições que aumentam o risco de doença cardíaca, de acidente vascular cerebral e de diabetes, a síndrome metabólica afeta 50% da população dos Estados Unidos na faixa etária de 50 anos, segundo estimativas.

Cientistas da Universidade Estadual Paulista trabalhando na Faculdade de Medicina do município de Botucatu (FMB-Unesp) detectaram a síndrome metabólica em 57,8% das mulheres analisadas com insuficiência (níveis entre 20 e 29 nanogramas por mililitro de sangue) ou deficiência de vitamina D (menor que 20 ng/ml). Para as que tinham vitamina D suficiente (30 ng/ml ou mais), apenas 39,8% apresentavam síndrome metabólica.

Os resultados do estudo, que contou com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, foram publicados em artigo na revista Maturitas.

No período de dois anos, 463 mulheres entre 45 e 75 anos foram acompanhadas no Ambulatório de Climatério e Menopausa da FMB. Todas as participantes da análise estavam há pelo menos 12 meses na pós-menopausa e sem nenhum problema cardíaco aparente.

Para avaliar se a paciente apresenta síndrome metabólica ou não, a pesquisa adotou uma série de parâmetros, sendo os principais: circunferência da cintura acima de 88 centímetros; hipertensão arterial (acima de 130 por 85 mmHg); nível elevado de açúcar no sangue (glicemia de jejum maior que 100 mg/dL); e níveis anormais de triglicerídeos (acima de 150 mg/dL) e HDL-colesterol (abaixo de 50 mg/dL). Mulheres que apresentam pelo menos três desses cinco parâmetros são diagnosticadas com síndrome metabólica.

"Paralelamente à dosagem da vitamina D no sangue, avaliamos se aquelas mulheres apresentavam parâmetros indicativos de síndrome metabólica. Notamos que quanto menor o valor sérico [no sangue] da vitamina D, maior foi a ocorrência de síndrome metabólica. Os resultados sugerem que a suplementação e a consequente manutenção de níveis adequados de vitamina D em mulheres na pós-menopausa podem reduzir o risco de doenças", disse Eliana Aguiar Petri Nahas , professora do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMB e uma das autoras do estudo.

Estudos anteriores haviam descrito a existência de diversos mecanismos que explicariam o efeito da vitamina D nos componentes de síndrome metabólica. Segundo o artigo, a explicação mais plausível para essa relação seria a influência da vitamina D na secreção e sensibilidade da insulina, hormônio secretado no pâncreas que tem importante papel na síndrome metabólica.

"O receptor de vitamina D é expresso em células pancreáticas secretoras de insulina e em tecidos-alvo periféricos, como músculo esquelético e tecido adiposo. A deficiência de vitamina D pode comprometer a capacidade das células de converter a pró-insulina em insulina", escreveram os pesquisadores do projeto apoiado pela FAPESP.

Os pesquisadores ressaltam, no entanto, que ainda são necessários mais estudos para confirmar a relação. "O objetivo do estudo foi avaliar a associação entre a deficiência de vitamina D e os fatores de risco da síndrome metabólica em mulheres na pós-menopausa", escreveram os autores no artigo.

Efeitos extraósseos

Em um estudo anterior, os pesquisadores da Unesp também analisaram a relação entre a deficiência de vitamina D e o câncer de mama em mulheres na pós-menopausa. Foi conduzida uma pesquisa com 192 mulheres entre 45 e 75 anos, que receberam diagnóstico recente de câncer de mama e estavam na pós-menopausa há mais de 12 meses.

No estudo, 33,8% das pacientes tinham níveis suficientes de vitamina D, enquanto 66,2% dos casos apresentavam deficiência. Mulheres com insuficiência ou deficiência de vitamina D tiveram uma maior proporção de tumores com grau avançado ou metastático.

A equipe avança no entendimento dos efeitos da vitamina D em diferentes doenças crônicas, como obesidade, hipertensão, diabetes e consequentemente síndrome metabólica, e também em relação ao câncer de mama.

"Reconhecidamente, a vitamina D é importante para a massa óssea, principalmente para ajudar a absorver o cálcio para o osso. Agora, estamos estudando os efeitos extraósseos da vitamina D no sistema cardiovascular e na mama, que são os dois focos do nosso estudo atual. Nos últimos anos, a associação entre a deficiência da vitamina D com inflamação e doenças cardiometabólicas foi proposta. No entanto, ainda faltam informações sobre a associação entre vitamina D e marcadores cardioinflamatórios na população em geral", disse Nahas.

Ela explica que o envelhecimento é um fator importante para a baixa de vitamina D. "Quando nos expomos ao sol, existe uma pré-vitamina D no tecido adiposo, embaixo da pele. Porém, quando envelhecemos perdemos não apenas massa muscular, mas ocorrem alterações na composição corporal e perdemos também essa pré-vitamina. Por isso, normalmente, mesmo que o idoso se exponha ao sol, produz menos vitamina D", disse.

O grupo de pesquisadores espera agora avançar com estudos sobre suplementação isolada de vitamina D e indicadores de doença cardiovascular em mulheres na pós-menopausa.

"São precisos mais estudos para poder fazer essas associações importantes sobre os efeitos da suplementação no perfil cardiometabólico e imune-inflamatório da doença cardiovascular e na qualidade de vida das mulheres na pós-menopausa", disse Nahas.

A pesquisadora alerta que é preciso uma maior atenção com o grupo de mulheres na pós-menopausa. É indicado procurar um médico para verificar a necessidade de suplementação da vitamina D. "A hipovitaminose pode promover repercussões, seja no câncer de mama, doenças vasculares, seja na síndrome metabólica", disse.

###

Sobre a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) é uma das principais agências públicas brasileiras de fomento à pesquisa. A FAPESP apoia a pesquisa científica e tecnológica por meio de Bolsas e Auxílios a Pesquisa que contemplam todas as áreas do conhecimento. Em 2016, a FAPESP desembolsou R$ 1,137 bilhão, custeando 24.685 projetos, dos quais 53% com vistas à aplicação de resultados, 39% para o avanço do conhecimento e 8% em apoio à infraestrutura de pesquisa. Saiba mais em: http://www.fapesp.br.

Disclaimer: AAAS and EurekAlert! are not responsible for the accuracy of news releases posted to EurekAlert! by contributing institutions or for the use of any information through the EurekAlert system.