Public Release: 

Senolíticos melhoram a saúde e prolongam a vida: resultados de pesquisa pré-clínica

Mayo Clinic

ROCHESTER, Minnesota -- A presença de células senescentes ou disfuncionais pode colaborar com o envelhecimento precoce dos camundongos jovens. Por outro lado, o uso de medicamentos senolíticos para remover essas células nocivas pode melhorar a saúde e prolongar a vida. Esses resultados de pesquisadores e colaboradores da Mayo Clinic fornecem uma base para avançar nesta área de pesquisa do envelhecimento. Os resultados foram publicados na Nature Medicine.

"Podemos afirmar com certeza que as células senescentes podem causar problemas de saúde em camundongos jovens, inclusive disfunção física e redução das taxas de sobrevivência, e que o uso de senolíticos pode melhorar significativamente tanto a expectativa de vida quanto a saúde de animais muito mais velhos que envelheceram naturalmente", diz James Kirkland, M.D., Ph.D., pesquisador de geriatria da Mayo Clinic que lidera o Kogod Center on Aging (Centro de Envelhecimento Kogod) da Mayo Clinic. O Dr. Kirkland é o autor principal do estudo.

Os primeiros medicamentos senolíticos -- compostos que removem células senescentes do corpo -- foram descobertos na Mayo Clinic. Os senolíticos usados neste estudo são um coquetel de dasatinibe, que promove a morte de células cancerosas, e quercetina, um antioxidante encontrado em maçãs e em outros alimentos. Na verdade, os senolíticos agem permitindo que as células senescentes "se autodestruam" em vez de danificar as células saudáveis próximas e no restante do corpo.

Como o estudo foi realizado

Os pesquisadores transplantaram células senescentes em camundongos jovens e em um grupo de camundongos de meia-idade que haviam envelhecido naturalmente. Até mesmo o transplante de pequenas quantidades de células senescentes foi suficiente para fragilizar os camundongos e reduzir a taxa de sobrevivência deles. Foram necessárias menos células senescentes para causar esses efeitos em camundongos mais velhos do que nos mais jovens e menos células em camundongos com uma dieta hiperlipídica do que em camundongos magros. Isso significa que a obesidade piora os efeitos do envelhecimento. Os problemas foram evitados ou revertidos em camundongos que receberam transplante de células senescentes tratando-se esses camundongos com senolíticos.

Em camundongos que envelheceram naturalmente, o equivalente aproximado a 80 anos humanos, administrar o coquetel de senolíticos oralmente melhorou as funções físicas. Os camundongos estavam em melhores condições de correr numa esteira e manter uma força de preensão maior, além de terem aumentado o nível de atividade diário. A expectativa de vida restante foi ampliada em 36%, comparada à norma para esta linhagem de camundongos. Além disso, o aumento da expectativa de vida não veio às custas de um período prolongado de fragilidade próximo ao fim da vida. A morte por doenças relacionadas à idade foi retardada e geralmente ocorreu por idade avançada em vez de uma doença relacionada à idade, como câncer. Ademais, os senolíticos mataram as células humanas senescentes dentro de 48 horas em amostras de gordura retiradas diretamente da sala de cirurgia.

Implicação para humanos

Os pesquisadores advertem que esses agentes senolíticos não devem ser consumidos por pessoas, a menos que a sua segurança e eficácia seja demonstrada por ensaios clínicos. Eles afirmam que, se esses agentes se mostrarem eficazes e seguros nesses ensaios clínicos, os senolíticos podem ajudar a aliviar a disfunção física e fragilidade em idosos, ao mesmo tempo que aumentam a independência na idade avançada.

###

Os colaboradores do estudo são da Newcastle University (Universidade de Newcastle), Newcastle upon Tyne, Reino Unido; Indiana; University Bloomington (Universidade de Bloomington), Bloomington, Indiana, EUA; The University of Alabama at Birmingham (Universidade do Alabama em Birmingham), Birmingham, Alabama, EUA; The University of Texas Health Science Center at San Antonio (Centro de Pesquisa em Saúde da Universidade do Texas em San Antonio), San Antonio, Texas, EUA; South Texas Veterans Health Care System (Sistema de Assistência à Saúde de Veteranos do Sul do Texas), San Antonio, EUA; The Scripps Research Institute (Instituto de Pesquisa The Scripps), Jupiter, Flórida, EUA e do University of Connecticut Center on Aging (Centro de Envelhecimento da Universidade de Connecticut), UConn Health, Farmington, Connecticut, EUA.

Esta pesquisa foi financiada por diversos subsídios dos National Institutes of Health (Institutos Nacionais de Saúde), além do Connor Group, de Robert J. e Theresa W. Ryan, da Glenn/American Federation for Aging Research (Federação Norte-Americana de Pesquisas em Envelhecimento) e das fundações Ted Nash Long Life e Noaber. Alguns dos pesquisadores têm participação financeira nos resultados desta pesquisa e a Mayo Clinic tem patentes de medicamentos senolíticos. Detalhes e a lista completa de autores são apresentados no artigo.

Sobre a Mayo Clinic

A Mayo Clinic é uma organização sem fins lucrativos comprometida com a prática clínica, formação e pesquisa, prestando cuidados especializados e abrangentes a todos que buscam a cura. Saiba mais sobre a Mayo Clinic. Visite a página Mayo Clinic News Network

Contato de imprensa:

Sharon Theimer, Relações públicas da Mayo Clinic, 507-284 5005, newsbureau@mayo.edu

Disclaimer: AAAS and EurekAlert! are not responsible for the accuracy of news releases posted to EurekAlert! by contributing institutions or for the use of any information through the EurekAlert system.