Public Release: 

Células zumbis encontradas em cérebros de camundongos antes de perda cognitiva

Mayo Clinic

ROCHESTER, Minnesota, EUA -- As células zumbis são células que não morrem, mas que também não realizam funções celulares normais. Essas células senescentes, ou zumbis, estão relacionadas a algumas doenças decorrentes da idade. Em um novo artigo publicado na Nature, os pesquisadores da Mayo Clinic ampliaram essa lista.

Em um modelo de doenças cerebrais em camundongos, cientistas relataram o acúmulo de células senescentes em certos tecidos cerebrais antes de uma perda cognitiva. Ao prevenir o acúmulo dessas células, os cientistas foram capazes de diminuir a agregação da proteína tau, da morte neuronal e da perda de memória.

"Células senescentes se acumulam com o passar natural da idade e em áreas afetadas por doenças associadas ao envelhecimento, como artrose, aterosclerose e doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson", relatou Darren Baker, Ph.D., biólogo molecular da Mayo Clinic e autor sênior do estudo. "Em estudos anteriores, descobrimos que a eliminação de células senescentes em camundongos possibilitava o aumento da expectativa de vida saudável."

Neste estudo, a equipe usou um modelo que imita o Alzheimer.

"Nós utilizamos o modelo, para camundongos, que produz emaranhados em forma de teias da proteína tau em neurônios e que possui modificações genéticas que permitem a eliminação das células senescentes", disse o autor principal Tyler Bussian, aluno da Mayo Clinic Graduate School of Biomedical Sciences (Faculdade de Pós-graduação em Ciências Biomédicas da Mayo Clinic) e integrante do laboratório do Dr. Baker. "Quando as células senescentes foram removidas, percebemos que os animais doentes recuperaram a capacidade de formar memórias, eliminaram sinais de inflamação e não desenvolveram emaranhados neurofibrilares, mantendo a massa cerebral normal."

Os cientistas também relataram que a intervenção farmacológica de remoção das células senescentes modulou a aglomeração das proteínas tau. Segundo o Dr. Baker, a equipe ainda pode identificar o tipo específico de célula que se tornou senescente.

"Dois tipos distintos de células, chamado 'micróglia' e 'astrócitos' foram identificados como senescentes quando o tecido cerebral foi analisado em microscópio", relatou Bussian. "Estas células são importantes para a saúde cerebral e para a sinalização, então faz todo o sentido que a senescência delas tenha um impacto negativo na saúde neural."

De acordo com o Dr. Baker, esta descoberta foi surpreendente, porque, no início da pesquisa, uma conexão causal entre células senescentes e doenças neurodegenerativas não havia sido estabelecida.

"Não fazíamos ideia de que células senescentes contribuíam ativamente para a patologia de doenças cerebrais. Além disso, descobrir que os astrócitos e as micróglias têm propensão para a senescência foi uma surpresa também.", comentou o Dr. Baker.

Falando de trabalhos futuros, o Dr. Baker informou que esta pesquisa demonstrou a melhor situação possível, em que a prevenção dos danos ao cérebro evitou o desenvolvimento da doença.

"Obviamente, esta mesma abordagem não pode ser aplicada clinicamente, então estamos começando a tratar animais após o estabelecimento da doença. Queremos criar modelos novos para examinar as alterações moleculares específicas ocorridas em células infectadas", relatou o Dr. Baker.

###

Os coautores são Jan van Deursen, Ph.D., professor de Senescência celular de Vita Valley na Mayo Clinic. Os Drs. Baker e van Deursen são os criadores de patentes licenciadas para a Unity Biotechnology pela Mayo Clinic, e o Dr. van Deursen é o fundador da Unity Biotechnology.

Esta pesquisa foi patrocinada pela Ellison Medical Foundation (Fundação Médica Ellison), pela Glenn Foundation for Medical Research (Fundação Glenn para Pesquisa Médica), National Institutes of Health (Institutos Nacionais de Saúde), Mayo Clinic Children's Research Center (Centro de Pesquisa Infantil da Mayo Clinic) e Alzheimer's Disease Research Center of Mayo Clinic (Centro de Pesquisa sobre Alzheimer da Mayo Clinic).

Sobre a Mayo Clinic

A Mayo Clinic é uma organização sem fins lucrativos comprometida com a prática clínica, a formação e a pesquisa, que presta cuidados especializados e abrangentes a todos que buscam a cura. Saiba mais sobre a Mayo Clinic. Visite a página da Mayo Clinic News Network.

Contato de imprensa:

Sharon Theimer, Relações públicas da Mayo Clinic, 507-284 5005, newsbureau@mayo.edu

Disclaimer: AAAS and EurekAlert! are not responsible for the accuracy of news releases posted to EurekAlert! by contributing institutions or for the use of any information through the EurekAlert system.