News Release 

Pesquisa da Mayo descobre que muitos pacientes mais jovens que apresentam câncer de estômago têm uma doença diferenciada

Mayo Clinic

ROCHESTER, Minnesota. -- Uma nova pesquisa feita pela Mayo Clinic descobriu que várias pessoas com menos de 60 anos que desenvolvem câncer de estômago têm uma doença diferenciada do ponto de vista "genético e clínico". O estudo descobriu que, em comparação ao câncer de estômago em adultos mais velhos, essa forma mais nova e de início precoce frequentemente cresce e se espalha mais rapidamente, tem um prognóstico pior e é mais resistente aos tratamentos quimioterápicos tradicionais. A pesquisa foi recentemente publicada na revista Surgery.

Enquanto as taxas de câncer de estômago em pacientes idosos têm diminuído há décadas, esse câncer de início precoce está crescendo e, atualmente, é responsável por mais de 30% dos diagnósticos de câncer de estômago.

"Acredito que é uma tendência alarmante, pois o câncer de estômago é uma doença devastadora", afirma o autor sênior Travis Grotz, Médico, oncologista cirúrgico da Mayo Clinic. "Nos EUA, há pouca conscientização sobre os sinais e sintomas do câncer de estômago e vários pacientes jovens podem ser diagnosticados tardiamente - quando o tratamento é menos eficaz".

A equipe da pesquisa estudou 75.225 casos usando várias bases de dados sobre câncer para analisar as estatísticas do câncer de estômago de 1973 até 2015. Atualmente, a idade média de uma pessoa diagnosticada com câncer de estômago é de 68 anos, mas pessoas na casa dos 30, 40 e 50 anos apresentam maior risco do que antigamente.

Embora não exista uma idade limite clara para definir o câncer de estômago de início precoce e tardio, os pesquisadores descobriram que as distinções eram verdadeiras usando uma idade limite de 60, 50 ou 40 anos. Os pesquisadores descobriram que a incidência de câncer de estômago de início tardio diminuiu 1,8% anualmente durante o período do estudo, enquanto a doença de início precoce diminuiu 1,9% anualmente de 1973 até 1995 e, posteriormente, cresceu 1,5% até 2013. A proporção de câncer gástrico de início precoce duplicou, passando de 18% de todos casos em 1995 para mais de 30% de todos os casos de câncer gástrico atualmente.

"Normalmente, nós vemos o diagnóstico de câncer de estômago em pacientes na casa dos 70, mas estamos vendo cada vez mais pacientes de 30 a 50 anos sendo diagnosticados", afirma o Dr. Grotz.

A taxa elevada da doença de início precoce não é devido à detecção ou triagem precoce, acrescenta o Dr. Grotz. "Não há uma triagem universal para o câncer de estômago e os pacientes mais jovens, na verdade, apresentaram doença em estágio tardio mais do que os pacientes idosos", afirma ele.

Além de ser mais letal, os pesquisadores descobriram que o câncer de estômago de início precoce também é geneticamente e molecularmente diferente. Além disso, os fatores de risco tradicionais para o desenvolvimento de câncer de estômago entre os americanos idosos, como o tabagismo, pareceram não ter correlação com seu equivalente de início precoce.

"Com sorte, estudos como este conscientizarão e aumentarão a suspeita dos médicos sobre o câncer de estômago, principalmente em pacientes mais jovens", afirma o Dr. Grotz. Pacientes mais jovens que ficam saciados antes de terminar uma refeição ou que têm refluxo, dor abdominal, perda de peso não intencional e dificuldade para comer devem procurar um profissional de saúde, acrescenta ele.

O câncer de estômago é o 16º. câncer mais comum nos EUA, segundo a Sociedade do Câncer Americana. Ele apresenta uma taxa de sobrevida de cinco anos de 31,5%, e estima-se que existirão 27.510 novos casos em 2019, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer americano. A Organização Mundial da Saúde relatou que o câncer foi a segunda principal causa de mortes em todo o mundo em 2018 e que o câncer de estômago foi a terceira causa mais comum de óbito por câncer naquele ano.

Em seguida, a equipe de pesquisa espera identificar melhor os fatores de risco do câncer de estômago de início precoce usando o Projeto de Epidemiologia de Rochester e, potencialmente, outras bases de dados maiores.

O autor principal do estudo é o Dr. John Bergquist, agora na Universidade de Stanford. No momento do estudo, o Dr. Bergquist era membro dos resultados cirúrgicos no Centro Robert D. and Patricia E. Kern para o Atendimento de Ciência de Cuidados da Saúde, da Mayo Clinic. Os coautores do estudo são Jennifer Leiting, M.D.; Elizabeth Habermann, Doutora.; Sean Cleary, Médico; Michael Kendrick, Médico; Rory Smoot, Médico; David Nagorney, Médico; e Mark Truty, Médico -- todos da Mayo Clinic.

A pesquisa foi parcialmente patrocinada pelo Robert D. and Patricia E. Kern Center for the Science of Health Care Delivery, da Mayo Clinic.

Os autores declaram não ter conflito de interesses.

###

Sobre o Robert D. and Patricia E. Kern Center for the Science of Health Care Delivery, da Mayo Clinic

O objetivo do Robert D. and Patricia E. Kern Center for the Science of Health Care Delivery, da Mayo Clinic, é descobrir novos modos de melhorar a saúde, traduzir todas as descobertas com base em evidências, os tratamentos, processos e procedimentos acionáveis e aplicar esses novos conhecimentos para melhorar o tratamento de pacientes em todo o mundo. Saiba mais sobre o centro de pesquisa.

Sobre a Mayo Clinic

A Mayo Clinic é uma organização sem fins lucrativos comprometida com a inovação na prática clínica, com educação e pesquisa, e com fornecer compaixão, conhecimento e respostas a todos que precisam de cura. Visite a Rede de Notícias da Mayo Clinic para ver outras notícias da Mayo Clinic e visite Por Dentro da Mayo Clinic para mais informações sobre a Mayo.

Contato para a imprensa:

Sharon Theimer, Assuntos Públicos da Mayo Clinic, 507-284-5005, newsbureau@mayo.edu

Disclaimer: AAAS and EurekAlert! are not responsible for the accuracy of news releases posted to EurekAlert! by contributing institutions or for the use of any information through the EurekAlert system.